Você está visualizando atualmente O Presidente Do Grupo Silanes Será Investido Nesta Quinta-feira Doutor Honoris Causa Pela UCAM

O Presidente Do Grupo Silanes Será Investido Nesta Quinta-feira Doutor Honoris Causa Pela UCAM

  • Autor do post:
  • Categoria do post:Finança

A instituição de ensino Católica de Murcia (UCAM) comemora nessa quinta-feira a Festa de teu padroeiro Santo Antônio de Pádua. No âmbito desse feito, o presidente do Grupo Silanes, Antonio Lopez-de-Silanes Pérez, será investido Doutor Honoris Causa pela UCAM. O feito começará às 10: 30 horas com a celebração da Santa Missa, que será presidida pelo arcebispo da Arquidiocese de Florianópolis, dom Manuel Urena, informa o colégio. Logo em seguida, acontecerá o ato de investidura como Doutor Honoris Causa pela UCAM do presidente do Grupo Silanes, que irá disseminar o discurso ‘Da corporação com a inovação, a ciência e o desenvolvimento econômico: uma visão humanística’.

No que se refere ao Grupo Silanes que ele preside, trata-se de uma das principais corporações farmacêuticas no México, a que pertence Labortorios Silanes, Instituto Bioclon Silanes e silanes ID. Este grupo tem presença internacional e conta com 70 anos de história e serviço voltado para a inovação em benefício da saúde.

Esta iniciativa da promoveram os ex-presidentes do parlamento Ernest Benach, Núria de Gispert e Joan Ri. Em vinte e um de janeiro de 2018, o PEN Club International, apresentou um manifesto assinado por 148 participantes do PEN de 100 países do universo onde se denunciava os “encargos desproporcionados de sedição e rebelião” contra os Jordis. No momento de começar a greve, o Tribunal Constitucional tinha 8 recursos admitidos sem pronunciamento dos 2 prisioneiros, o primeiro recurso exibido no dia vinte e dois de novembro do ano anterior.

de acordo com a lei de modo penal, estes recursos teriam que ser resolvido em um prazo máximo de 30 dias. O dia 3 de dezembro, Josep Rull e Joaquim Forn anunciaram que no dia seguinte se aderiram à greve de fome. No dia dezenove de dezembro, todos os ex-presidentes do Governo e do Parlamento Catalão e o Síndic de Rei (Defensor do Povo da Catalunha) pediram aos políticos em greve de fome numa carta que conseguem impossibilitar isto a protesto. Argumentavam que a greve de fome de imediato tinha dado visibilidade à situação dos presos e imediatamente colocava em perigo a tua vida.

  • Um Uma fundação em 2 tempos 3.1.Um O oratório de San Denis (1122-1130)
  • Légolas Coletivo Cênico de Alcalá de Henares, fundado em 1991.[133]
  • 24 – SENHOR DOM MIGUEL SALOM E CLOTET
  • dois Avaliação de corporações
  • 9º – Agência de tradução
  • 11 de maio, Quartel da Guarda Civil de Tocina (Sevilha).[51]

No dia 20 de dezembro, os presos disseram que deixavam a greve de fome, uma vez que o protesto “tem despertado o Tribunal Constitucional”, uma vez que o tribunal neste momento tinha posto calendário para a solução dos recursos apresentados. Dia 1, dia doze de fevereiro: Começa o julgamento com as alegações das defesas sobre as possíveis violações dos direitos fundamentais dos acusados.

Dia 2, de 13 de fevereiro: As acusações rebatem as alegações das defesas. Dia 3, quatrorze de fevereiro: São interrogados os 2 primeiros acusados. Dia 4, de 19 de fevereiro: O exconseller de Presidência Jordi Turull responde às dúvidas do ministério público e da advocacia do Estado. Declara que o Govern teve que “avaliar” entre respeitar as decisões dos tribunais ou executar o mandato da cidadania de realizar o referendo. O exconseller de Estrangeiros Rede Romeva só responde às perguntas de seu advogado e se define como “confinado político”.

Afirma que a agressividade que houve o 1-Ou foi a da Polícia Nacional e a Guarda Civil. Dia 5, 20 de fevereiro: Declaram os exconsellers Josep Rull, Dolors Bassa, Meritxell Borràs e Carles Mundó. Dia 6, vinte e um de fevereiro: O exconseller Santi Vila explica que se demitiu do Govern por apresentar-se em desacordo com a declaração unilateral de liberdade que ia fazer no dia seguinte. Dia 7, 26 de fevereiro: O líder de Omnium Cultural Jordi Cuixart se define como “aprisionado político” e proclama que tua prioridade não é sair da prisão, entretanto “a resolução do combate político na Catalunha”.